top of page

Tainá Hinckel e Lucas Silveira são os novos campeões do Layback Pro em Florianópolis



Lucas Silveira e Tainá Hinckel (Foto: Marcio David / Layback Pro

A surfista olímpica Tainá Hinckel e Lucas Silveira são os novos campeões do Layback Pro apresentado pela Prefeitura de Florianópolis na Praia Mole. As vitórias sobre os catarinenses Heitor Mueller e Laura Raupp, fecharam o domingo de Sol, com praia lotada e show de surfe nas boas ondas do principal palco de etapas do World Surf League (WSL) Qualifying Series (QS) na Ilha de Santa Catarina.


O evento com status QS 3000, fechou a temporada 2023/2024 da WSL South America pelo terceiro ano consecutivo na Praia Mole. A temporada 2024/2025 já começa na próxima quinta-feira em Torres, no Rio Grande do Sul.“Com certeza, é uma vitória muito esperada por mim, principalmente aqui na Praia Mole, onde aos poucos fui entendendo essa onda e melhorando meus resultados, finalizando agora como campeã deste evento”, disse Tainá Hinckel, depois de atender vários fãs nas areias lotadas da Praia Mole. “Estou muito feliz. Foi uma temporada incrível pra mim, venci dois grandes eventos do QS no Brasil e estou começando o ano da melhor forma. Eu consegui a classificação para as Olimpíadas no meu primeiro campeonato do ano lá em Porto Rico, agora venci o segundo, então estou bem feliz”.



A catarinense chegou de Porto Rico no fim de tarde da terça-feira e viveu uma recepção intensa e emocionante na Guarda do Embaú, onde mora, desfilando até em caminhão dos Bombeiros. Na quinta-feira, estreou nesta quarta edição do Layback Pro na Praia Mole, já confirmando mais um título inédito para a sua carreira, o de campeã sul-americana de 2023/2024 da World Surf League. E no sábado, se tornou a primeira surfista a ganhar nota 10 nos 4 anos da história desta etapa patrocinada pela Layback desde 2021 em Florianópolis.Esta é a terceira vitória da Tainá Hinckel em etapas do Qualifying Series. A primeira foi em Garopaba (SC) em 2022 e a outra no Saquarema Surf Festival 2023, única da temporada com status máximo QS 5000 na América do Sul. Quem também festejou o primeiro título no Layback Pro, foi o carioca Lucas Silveira, que mora na capital catarinense há muitos anos e é um dos atletas patrocinados pela Layback, marca nascida em Florianópolis que mais vem investindo em campeonatos de surfe e skate no Brasil nos últimos anos.


“O objetivo era esse desde o início. Eu imaginava que precisava ganhar esse campeonato, para me classificar para o Challenger Series. Acabou que garanti a vaga antes (no sábado), mas continuei com o objetivo de ganhar”, contou Lucas Silveira. “A etapa antes dessa, no Peru, eu estava pra ir pra lá, só que tive um compromisso com minha filha e não fui. Mas, Deus me mostrou que fiz a escolha certa, de cuidar bem da família e acabei conseguindo a vaga pro Challenger aqui e essa vitória hoje, então sem palavras pra agradecer que deu tudo certo”. No domingo, existiam duas chances de acontecer um inédito bicampeonato na história do Layback Pro. O cearense Michael Rodrigues, que mora em Florianópolis há muitos anos, detém a maioria dos recordes dos 4 anos deste campeonato e venceu esta etapa em 2022, acabou sendo barrado pelo jovem catarinense Heitor Mueller. E a Laura Raupp, campeã da primeira edição do evento em 2021, quando tinha apenas 15 anos de idade, confirmou a última vaga no Challenger Series 2024, na semifinal contra a peruana Arena Rodriguez Vargas. Mas, Tainá Hinckel impediu o seu bicampeonato inédito.



“Ficou aquele gostinho de quero mais, mas estou superfeliz com meu desempenho durante o evento todo”, destacou Laura Raupp. “O mar ficou bem diferente na hora da final, mas tudo bem, eu estava superfeliz, já me sentindo realizada por ter cumprido a grande meta neste campeonato. Eu fiquei esperando por isso desde o segundo semestre do ano passado e estou feliz pela minha performance aqui na Praia Mole de novo, por ter conseguido minha vaga pro Challenger. Foi minha segunda final no Layback Pro e estou bem animada para esta temporada de 2024”.  O vice-campeão, Heitor Mueller, também estava radiante por estar disputando a sua terceira decisão de título em etapas do Qualifying Series na temporada 2023/2024 da WSL South America. Ele ganhou a primeira em Punta Rocas, no Peru, foi vice-campeão na final com o pernambucano Ian Gouveia na Praia de Maresias, em São Sebastião (SP), agora ficou em segundo novamente no Layback Pro. Com este resultado, Heitor Mueller terminou em terceiro lugar no ranking que classificou 7 surfistas para o Challenger Series 2024. Esta é a primeira vez que ele vai disputar o circuito de acesso para o CT.



“É muito bom saber disso, muito bom mesmo, terceiro do ranking então? Nossa, estou muito amarradão”, disse Heitor Mueller. “A final com o Lucas Silveira foi excepcional, foi sinistra mesmo, gostei muito e no final ali, a gente mandou aquele ´vibe´, nos cumprimentamos e o cara mereceu. Ele fez uma bateria brilhante e eu acabei errando aquela junção, então é isso. Estou felizão pelo segundo também e vamos treinar mais ainda, para tentar ganhar a próxima. Vamos com tudo, porque o ano está só começando”.CHALLENGER SERIES 2024 – No domingo, foi decidida a última vaga do ranking da WSL South America para o Challenger Series, divisão de acesso para a elite mundial do World Surf League Championship Tour (CT). Ela foi disputada na segunda semifinal feminina, com Laura Raupp derrotando a peruana Arena Rodriguez Vargas para confirmar o seu nome. Essa vitória ainda valeu o vice-campeonato sul-americano de 2023/2024, vencido por Tainá Hinckel. A outra classificada foi a paulista Sophia Medina, que caiu para terceiro no ranking.


O campeão sul-americano, Mateus Herdy (Foto: Marcio David / Layback Pro)

O ranking masculino indicou 7 surfistas para o Challenger Series e a lista já tinha sido definida no sábado, quando o agora campeão do Layback Pro, Lucas Silveira, tirou a vaga do catarinense Lucas Vicente. Com a vitória no domingo, Lucas Silveira alcançou a quarta posição no ranking final, abaixo somente do novo campeão sul-americano, Mateus Herdy, do Ian Gouveia e do Heitor Mueller. Os outros classificados pelo ranking da WSL South America, foram o cearense Cauã Costa, o pernambucano Luel Felipe, o capixaba Rafael Teixeira e o paulista Edgard Groggia.WILDCARDS DA REGIÃO – O catarinense Mateus Herdy e o cearense Michael Rodrigues, que perderam nas semifinais, já estavam garantidos no Challenger Series pela 11.a e 12.a posições no ranking do ano passado, respectivamente. Eles ficaram na porta de entrada do grupo dos 10 que se classificaram para o CT 2024. Além dos indicados pelo ranking da WSL South America, a World Surf League seleciona dois surfistas da região para receberem o wildcard (convite) em cada categoria. Os escolhidos foram o brasileiro Alejo Muniz e a peruana tricampeã sul-americana, Daniella Rosas. O critério utilizado foi as posições no último ranking do Challenger Series, 26.o e 19.o lugar, respectivamente.


O domingo decisivo do Layback Pro apresentado pela Prefeitura de Florianópolis começou com um confronto entre as duas últimas campeãs sul-americanas da WSL South America e Tainá Hinckel derrotou Daniella Rosas, por uma pequena vantagem de 12,56 a 12,34 pontos. A segunda semifinal também foi definida por décimos de diferença, com Laura Raupp superando Arena Rodriguez Vargas por 11,93 a 11,53 pontos. Esta vitória valeu a última vaga para o Challenger Series 2024.PRIMEIRA DECISÃO – A decisão feminina foi a primeira a entrar no mar, as 10h40 do domingo de Sol e praia lotada para assistir o último dia do Layback Pro 2024. Foi logo após um duelo mais esperado pela torcida, do novo campeão sul-americano, Mateus Herdy, com Lucas Silveira, que venceu com o maior placar do dia, 16,03 a 10,24 pontos. Tainá Hinckel pegou as primeiras ondas e a segunda foi melhor, acertou uma batida de backside que valeu 5,17. Laura demora mais pra surfar e começa com 3,67. Depois acha uma direita, que rende três manobras de frontside, para passar à frente com nota 4,67.



A campeã sul-americana pega uma esquerda que abre mais a parede, para fazer três rasgadas de backside e ganhar 5,10, abrindo 5,60 de vantagem para a Laura Raupp nos 15 minutos finais. A campeã do primeiro Layback Pro em 2021, também entra em uma esquerda e ataca forte de backside, com um batidão debaixo do lip que vale 5,23. Só que Tainá responde com a maior nota da bateria, 5,83, aumentando a vantagem para 5,78 pontos. O máximo que a Laurinha conseguiu depois foi 5,03 e Tainá Hinckel conquistou a sua primeira vitória no Layback Pro, por 11,00 a 10,26 pontos.FINAL MASCULINA – A final masculina fechou a temporada 2023/2024 da WSL South America, com mais um show de surfe na Praia Mole, que bombou boas ondas nos 5 dias da competição iniciada na quarta-feira. Lucas Silveira começou melhor, numa esquerda que armou a parede para mandar dois ataques de backside. Ele largou na frente com 6,33 e Heitor Mueller respondeu com 5,83. Lucas logo somou uma nota 6,00 e Heitor encontrou a rampa numa esquerda para voar num aéreo rodando, que valeu 4,63.


Só que Lucas Silveira massacrou mais uma onda, com manobras potentes jogando água pra cima, que arrancaram 7,67 dos juízes. Com essa nota, Heitor passou a precisar de 8,17 para vencer nos 15 minutos finais. Mas foi o Lucas que detonou outra esquerda com suas batidas de backside, trocando 6,33 por 7,07 e aumentando a vantagem para 8,91. Heitor tinha conseguido a maior nota do campeonato – 9,17 – no sábado, então poderia conseguir essa pontuação. Só que o tempo foi passando e Lucas Silveira festejou a quarta vitória da sua carreira em etapas do QS, a primeira na Ilha de Santa Catarina.  Prefeitura de Florianópolis apresentou o Layback Pro na Praia Mole, uma realização da Agência Esporte & Arte (AEA) e Swell Eventos, com a etapa do QS 3000 masculina e feminina, licenciada pela WSL Latin America para a Layback Park fechar a temporada 2023/2024, acontecendo com patrocínio da TVBShorts, Corona, Oakberry e Real Estruturas; apoio da Evoke, D´Vicz Sorvetes, MB Marketing e Eventos, Federação Catarinense de Surf (FECASURF) e Associação de Surf da Praia Mole (ASPM); parceria de mídia do site Waves.com.br e produção da FIRMA na transmissão ao vivo pelo WorldSurfLeague.com.



CAMPEÕES DO LAYBACK PRO NA PRAIA MOLE:2024: Tainá Hinckel (BRA-SC) e Lucas Silveira (BRA-RJ)2023: Silvana Lima (BRA-CE) e Luan Wood (BRA-SC)2022: Daniella Rosas (PER) e Michael Rodrigues (BRA-CE)2021: Laura Raupp (BRA-SC) e Eduardo Motta (BRA-SP)RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO LAYBACK PRO QS 3000:Campeão: Lucas Silveira (BRA) por 14,74 pts (7,67+7,07) – US$ 8.000 e 3.000 pts2.o lugar: Heitor Mueller (BRA) com 10,46 pts (5,83+4,63) – US$ 4.000 e 2.340 ptsSEMIFINAIS – 3.o lugar com 1.825 pontos e US$ 2.000: 1.a: Heitor Mueller (BRA) 13,60 x 11,70 Michael Rodrigues (BRA)2.a: Lucas Silveira (BRA) 16,03 x 10,24 Mateus Herdy (BRA)DECISÃO DO TÍTULO FEMININO DO LAYBACK PRO:Campeã: Tainá Hinckel (BRA) por 11,00 pts (5,83+5,17) – US$ 8.000 e 3.000 pts2.o lugar: Laura Raupp (BRA) com 10,26 pts (5,23+5,03) – US$ 4.000 e 2.340 ptsSEMIFINAIS – 3.o lugar com 1.825 pontos e US$ 2.000 de prêmio: 1.a: Tainá Hinckel (BRA) 12,56 x 12,34 Daniella Rosas (PER)2.a: Laura Raupp (BRA) 11,93 x 11,53 Arena Rodriguez Vargas (PER)



RANKINGS REGIONAIS DE 2023/2024 DA WSL SOUTH AMERICA:TOP-10 DO RANKING MASCULINO – 11 etapas:——-são computados os 4 melhores resultadosCampeão: Mateus Herdy (BRA) – 8.007 pontos

2.o: Ian Gouveia (BRA) – 6.550

3.o: Heitor Mueller (BRA) – 5.715

4.o: Lucas Silveira (BRA) – 5.585

5.o: Cauã Costa (BRA) – 5.055

6.o: Luel Felipe (BRA) – 4.875

7.o: Rafael Teixeira (BRA) – 4.752

8.o: Edgard Groggia (BRA) – 4.445

9.o: Lucas Vicente (BRA) – 4.142

10.o: José Francisco (BRA) – 3.898—-Clique aqui para acessar o ranking completo


TOP-10 DO RANKING FEMININO – 11 etapas:——-são computados os 5 melhores resultados

Campeã:

Tainá Hinckel (BRA) – 11.425 pontos

2.a: Laura Raupp (BRA) – 7.605

3.a: Sophia Medina (BRA) – 7.440

4.a: Isabelle Nalu (BRA) – 6.410

5.a: Arena Rodriguez Vargas (PER) – 6.048

6.a: Vera Jarisz (ARG) – 5.787

7.a: Melanie Giunta (PER) – 4.936

8.a: Daniella Rosas (PER) – 4.920

9.a: Juliana dos Santos (BRA) – 4.646

10.a: Kalea Gervasi (PER) – 4.316—-Clique aqui para acessar o ranking completo


CAMPEÕES SUL-AMERICANOS DA WORLD SURF LEAGUE:2023/2024 –

Mateus Herdy (BRA-SC) e Tainá Hinckel (BRA-SC)2022/2023

Miguel Tudela (PER) e Daniella Rosas (PER)2021/2022

Yago Dora (BRA-SC) e Sophia Medina (BRA-SP)2020/2021

Wiggolly Dantas (BRA-SP) e Daniella Rosas (PER)2019

João Chianca (BRA-RJ) e Daniella Rosas (PER)2018

Wesley Santos (BRA-SP) e Dominic Barona (EQU)2017

Thiago Camarão (BRA-SP) e Anali Gomez (PER)2016

Leandro Usuna (ARG) e Nathalie Martins (BRA-PR)2015

Robson Santos (BRA-SP) e Sofia Mulanovich (PER)2014

Alex Ribeiro (BRA-SP) e Jacqueline Silva (BRA-SC)2013

Gabriel Medina (BRA-SP) e Anali Gomez (PER)2012

Jean da Silva (BRA-SC) e Sofia Mulanovich (PER)2011

Gabriel Medina (BRA-SP) e Dominic Barona (EQU)2010

Willian Cardoso (BRA-SC) e Anali Gomez (PER)2009

Pablo Paulino (BRA-CE) e Taís de Almeida (BRA-RJ)2008

Raoni Monteiro (BRA-RJ) e Silvana Lima (BRA-CE)2007

Simão Romão (BRA-RJ) e Silvana Lima (BRA-CE)2006

Marcondes Rocha (BRA-AL)

—————————————————–

 A World Surf League (WSL) é a casa do surf competitivo no planeta, coroando campeões mundiais desde 1976, apresentando os melhores surfistas do mundo. A WSL supervisiona o cenário competitivo global do surf e estabelece o padrão para o desempenho de alta performance no ambiente mais dinâmico de todos os esportes. Com um firme compromisso com os seus valores, a WSL prioriza a proteção do oceano, a igualdade de gêneros e a rica herança do esporte, ao mesmo tempo que destaca a progressão e a inovação.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

 

8 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page